INTEMPESTIVO

Tomo Coca-Cola com café,
A mãe do Red Bull com wisk.
Inspira-me à reviravolta do desatinado juízo,
Soltando o incrédulo súdito do tempo,
Este meu outro eu mais realista.

Nelci Nunes - O Falador.

terça-feira, 7 de maio de 2013

EU ANDARILHO




EU ANDARILHO


                                                  Nelci Nunes – O Falador.

Alguns passos diante de mim,
Observo meu eu menino, assustado.
De pé, é madrugada, pouco dormiu.
Tem o nariz grudado na janela de vidro canelado.
Tentando ver sem muito duplicar a verde paisagem.

É a primeira noite na nova casa.
Pequena, quase sem mobília,
Tijolos a vista, ainda em construção.
De vizinhança, escassas moradias.
Árvores e variados arbustos ao redor.

Pouco sono teve...
Quase não se conteve esperando amanhecer.
Quis depressa conhecer, toda a redondeza.
Poucas ruas adiante, distraído, perdeu o rumo.
Assustado, demorou a reencontrar o caminho.

Eu velho, perco-me, ando sem tino,
Fico perambulando pela cidade,
E recorro ao meu eu menino,
Ainda de mesma idade...
Ele sempre me leva de volta ao lar.

Hoje estou velho, repleto de variada história,
Descendo amparado, do tempo, a ladeira.
Caminho devagar na estrada derradeira,
Levo comigo, o velho menino na memória.
Cresci, mas ele me acompanhou a vida inteira. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário